Pirenópolis - GO

um dos acessos à Rua do Rosário - point dos turistas Tive a oportunidade de conhecer Pirenópolis. Lugar legal de se ir .... na verdade, acho que eu gosto mais de ir lá do que visitar as cidades históricas de Minas. A cidade em si, é no mínimo sui generis, comparada com o zelo que normalmente se tem para com o patrimônio histórico no Brasil e com o que temos aqui em Minas. Pra começar, a cidade pode ser considerada limpa. Aqui em Minas, IMHO, muitas tem as ruas sujas e o aspecto, em geral, é de sujo. Pode ser porque em Pirí (é assim que os descolados daquelas bandas se referem à cidade) os moradores cuidam muito bem das casas no centro histórico e porque o Poder Público ajude. Não tem fiação elétrica de baixa/alta tensão exposta nas ruas, por exemplo, e, para fotografia, isso faz muita diferença. O que se tem é iluminação tipo incandescente, de lampiões (?), nas ruas.

casa comum no centro histórico outra casa comum no centro histórico

Outro aspecto que pode contribuir para a minha preferência pode ser o jeito diferente de ser das pessoas, comparando os dois estados; não sei ao certo. Outra coisa que talvez influencie seja o clima: é difícil manter uma cidade abarrotada de mofo como Ouro Preto, por exemplo, com aspecto de limpo. Enfim, ....

Um atrativo interessante de Pirenópolis, sem dúvida, são suas cachoeiras. Aqui também tem mas, lá tem mais e boas cachoeiras. Outro fator, se existe, é que a topografia do terreno lá ajuda mais que a daqui - faz-se menos esforço para se chegar na mesma altitude, embora aqui se alcance altitudes maiores. De novo, enfim, ....

Uma coisa legal que tem em Pirí e que nunca vi por aqui é que lá tem uma senhora vendendo acarajé na rua. Por aqui não tem.

Outra coisa (ótima) que tem lá e não tem aqui: rios limpos! No centro histórico da cidade, bem perto de onde fica a muvuca, durante o dia as pessoas nadam no rio. Num final de semana que passei lá, vi várias famílias fazendo piquenique nas margens do rio, a montante da foto abaixo, em diferentes pontos - "pic-nic" moderno, é verdade - nada de toalha xadrez; mas tem carro com som ligado, muita garrafa PET e latinha, menino espalhado para tudo quanto é lado, mas tudo comportado, sem exageros, mas, enfim, ....

A primeira coisa que me chamou atenção em Pirí, quando pus meus meus no chão, fora do carro, foi a maneira como o centro histórico foi calçado com pedras - em vez de alojar as pedras com a superfície maior voltada para cima, eles assentaram as pedras com as arestas laterais voltadas para cima. O resultado disso é visível quando se anda de carro ou mesmo a pé. Ao contrário de Ouro Preto e Tiradentes, por exemplo, onde se tem que ficar sempre atendo onde se pisa, ou em Paraty, onde a situação é exponencialmente pior, em Pirenópolis você sabe que está trafegando em calçamento de pedra, mas não se lembra disto o tempo todo e caminhar (ou andar de carro)  não é um sofrimento para os amortecedores. Enfim, ....

calçamento típico no centro histórico

 

Enfim, ....

Em termos fotográficos, além das cachoeiras, tem o Pico dos Pirineus - 1.385 m de altitude, segundo ponto mais elevado do estado - e, do lado, o Morro do Cabeludo. O que eu explorei, mais de uma vez, e recomendo é o Pico dos Pirineus. Os famosos pôr-do-sol de Goiás podem ser vistos de lá com muita facilidade e comodidade, depois de algum (pouco) esforço para se chegar no topo. Decididamente vale a pena a subida e, como cada dia é diferente do outro e nunca a cena de ontem se repete no hoje, sempre vale a pena voltar - lembre-se: today is the tomorrow you worried about yesterday !

 

Vista do Mirante do Pico dos Pirineus

entrada para o pico dos pirineus

 

 

Tem outras atrações que não tive tempo de me aventurar - Reservas Ecológicas Fazenda Vagafogo e Fazenda Vargem Grande, Museu da Cavalhada, Cine Pirineus, Museu da Família Pompeu, Museu Rodas do Tempo, Museu Lavras de Ouro, etc, etc, etc.

Outra oportunidade de fotografias que não explorei foram os povoados ao redor - Jaranópolis, Radiolândia, Santo Antônio, Bom Jesus, Placa, Malhador, etc. Posso estar enganado, mas pelo menos uma foto legal se consegue em cada um se você investir um (bom) tempo se ambientando. Novamente, enfim, .....

Existe mais um "plus a mais", mas esse requer guia: um local conhecido como Cidade de Pedra, em Cocalzinho de Goiás, no caminho para Brasília/DF. Quem me deu a dica foi um morador de Cocalzinho que eu conheci no alto do Pico dos Pirineus mas, ele me advertiu: é fácil se perder lá e a vegetação pode ser um grande dificultador. Não sei se encaro, mas, enfim, .....

Outra coisa legal, em termos fotográficos: creio que por ser cerrado (ou Centro-Oeste ou mesmo Goiás), lá tem passarinho até falar chega! Na área urbana da cidade, basta acordar cedo e ir para a rua, próximo a árvores. O belezura da foto abaixo foi flagrado no centro da cidade, tranquilamente pousado numa árvore baixa.